06/02/2019 às 19h46min - Atualizada em 06/02/2019 às 19h46min

Projeto desenvolve sistema óptico de monitoramento de barragens na Unifei, em Itajubá, MG

G1 SUL DE MINAS
Eptv
Uma empresa incubada na Universidade Federal de Itajubá (Unifei) desenvolveu um sistema óptico de monitoramento de barragens e hidrelétricas. A tecnologia pode ajudar a evitar tragédias como a de Brumadinho. Com o equipamento, é possível monitorar as barragens através de lasers de alta precisão.

"É um aparelho que fica posicionado em frente à barragem, fora da estrutura de barramento, um terreno inerte e ele faz a leitura de múltiplos pontos na estrutura, como se fosse um escaneamento desses alvos, então ele informa a posição exata que a barragem está com posição milimétrica", explica o engenheiro civil Daniel Carlos Ribeiro Trautwein.

Através dele, o monitoramento da barragem é feito em tempo real, 24 horas por dia. Qualquer anormalidade é percebida por ele e assim é possível evitar novos desastres.

É o que poderia ter acontecido em Brumadinho. Caso fosse detectado qualquer tipo de problema, os sistemas de segurança teriam sido acionados e os alertas disparados. A tecnologia já está em fase de teste em uma mineradora do Brasil. No entanto, a empresa não divulgou o nome.

"A gente consegue identificar e informar em tempo real, o início da deformação dessa estrutura. Então a gente consegue proporcionar um tempo hábil, a partir do nosso alerta, para que ações sejam tomadas", explica o engenheiro.

Para o professor Carlos Martinez, do Instituto de Engenharia Mecânica da Unifei, um monitoramento mais eficaz na barragem de Brumadinho teria diminuído a extensão da tragédia, salvado vidas e preservado o meio ambiente.

"Sobrou confiança porque a empresa, as empresas eram muito seguras de que as estruturas não iriam ruir, a prova disso é que o refeitório se localizava abaixo da barragem e aqueles técnicos, engenheiros e administrativos que estavam lá, não tinham a menor preocupação em viver e trabalhar ali embaixo, porque eles sabiam que a estrutura era segura", disse o professor de engenharia mecânica da Unifei, Carlos Martinez.


Ele compara o sistema de uma barragem ao corpo humano, que precisa de cuidados frequentes. E diz ainda que o equipamento desenvolvido em Itajubá é uma ferramenta importante.

"Seria um daqueles sensores que medem por exemplo pressão arterial do ser humano, o que ele vai indicar? se esse corpo está se deformando e aí nesse caso, como é que isso vai ter influência na vida da estrutura", completou o professor.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual desses nomes deveria ser o próximo prefeito de Itajubá/MG

41.1%
19.4%
23.2%
4.5%
11.9%