21/12/2017 às 08h56min - Atualizada em 21/12/2017 às 08h56min

Unifei e empresa de tecnologia fazem parceria inédita

* Texto produzido com informações da Assessoria de Imprensa da DDMX.

 Acadêmicos, docentes, gestores e empresários se reuniram para o lançamento oficial do Grupo de Pesquisas Sinapse DDMX Labs, uma parceria inédita entre a Universidade Federal de Itajubá (Unifei) e a empresa DDMX. O evento aconteceu na sala Sinapse, no campus sede.

 O diretor executivo da DDMX, Rafael Perez Pagan, abriu o evento, explicando o funcionamento da cooperação. “Nós somos todos frutos da Unifei, por isso resolvemos procurar a Universidade e oferecer incentivo à pesquisa de seus alunos. Acreditamos que esse apoio faça toda a diferença dentro do ambiente acadêmico. Nossa intenção é que o fomento à pesquisa e ao desenvolvimento seja contínuo, cresça e se amplie”, disse.

 No grupo, os estudantes terão a possibilidade de fazer pesquisas de acordo com seu tema de afinidade. Inclusive, muitos deles, unem o útil ao agradável: aprofundam seus trabalhos de iniciação científica, conclusão de curso, mestrado e doutorado, com uma ajuda de custo por meio de bolsa de estudos, contando com toda a infraestrutura para atuar no desenvolvimento das novas tecnologias.

 Segundo o reitor da Unifei, professor Dagoberto Alves de Almeida, a iniciativa da empresa em impulsionar as pesquisas é pioneira dentro da Universidade. Para ele, a DDMX representa o Brasil que deu certo em meio à crise atual. “É uma alegria ver nossos ex-alunos, hoje empresários, regressarem para participar, agregar valor e se relacionar de forma mais intensa com a Unifei. Esse tipo de relacionamento, que é tão comum no exterior, precisa acontecer de maneira mais enfática aqui no Brasil. Espero que essa iniciativa da DDMX sirva de exemplo para outras empresas retornarem a Itajubá nesse ambiente tão saudável, propício à criatividade e ao desenvolvimento da ciência e tecnologia”, afirmou.

 Segundo o professor Bruno Tardiole Kuehne, do Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologia da Informação (Iesti) da Unifei, o grupo vai explorar novas alternativas para os problemas diagnosticados pela empresa. “Marcamos reuniões periódicas em que criamos um ambiente de discussão, sempre com a participação de alunos que têm afinidade com a área. Cada um tem uma ideia, ela é apresentada, debatida e, assim, é sugerida uma solução”, explicou Bruno.

 “Vale destacar que os alunos irão trabalhar com problemas reais dos nossos clientes, oferecendo soluções inovadoras para problemas decorrentes. Isso é uma via de mão dupla: todos ganham”, completou o diretor de Tecnologia de Informação da DDMX, Fábio Preti.

 Para o diretor do Iesti, professor Luiz Lenarth Gabriel Vermaas, o valor dessa parceria vai muito além do investimento financeiro. “Os pesquisadores precisam publicar, participar de eventos. Geralmente, eles têm que correr atrás de recursos. Essa parceria permite, inclusive, que os resultados dos projetos sejam publicados em congressos, em revistas internacionais, e sejam compartilhados com a comunidade acadêmica e científica”, salientou.

Case de sucesso

 O ciclo de desenvolvimento da DDMX é um modelo clássico americano no qual os egressos de universidades tecnológicas montam seus negócios ao entorno delas. Após seu fortalecimento, voltam como empresários bem estabelecidos e geram retorno para as instituições nas quais se formaram.

 De acordo com o gerente da Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá (Incit) e diretor da Associação Itajubense para Inovação e Empreendedorismo (Inovai), Maurício de Pinho Bitencourt, a iniciativa da DDMX é um caso inédito na cidade e um dos poucos que acontecem no país. “Estamos recebendo uma série de boas notícias de Itajubá no sentido de que nosso ambiente, chamado de ecossistema de empreendedorismo e inovação, está sendo referência no Estado. Itajubá é uma cidade já conhecida e bem posicionada na educação e agora também na inovação e na tecnologia”, defendeu.

 Para Bitencourt, esse ambiente só é possível porque tem uma série de agentes atuando nesse tema. “A Universidade, as empresas que aqui nascem, os programas de incubação, o nosso projeto do parque tecnológico. Acaba de sair uma pesquisa de que Itajubá é a primeira cidade do país na densidade de criação de startups. Isso nos fortalece muito e sinaliza que estamos no caminho certo”, comemorou.

As startups

 De acordo com estudo feito pela Liga Ventures em parceria com a TIVIT e Intel, há no Brasil, atualmente, 193 startups com soluções tecnológicas emergentes. Isso significa que essas empresas desenvolvem tecnologia com objetivo de impactar negócios no prazo de 5 a 10 anos. Somente os estados de Minas Gerais, São Paulo e Santa Catarina somam mais de 50% dessas iniciativas.

 As startups, como é o caso da DDMX, têm gerado impacto significativo na economia local. É o que explica o secretário municipal de Ciência, Tecnologia, Industria e Comércio, José Fernando Grassi Bissacot. “Hoje, temos, aproximadamente, 60 empresas que passaram pelo processo ou de incubação ou de graduação que se encontram em Itajubá. Essas empresas se fortaleceram nesse momento de crise pela qual o país passa, de dificuldade financeira e desemprego”, exemplificou.

 Segundo Bissacot, esse movimento de empresas startups cresceu 60% de 2016 para 2017, gerando, atualmente, 360 empregos diretos, de alto gabarito, de alta formação e conhecimento e uma riqueza de R$ 40 milhões até o momento.

A DDMX

 De acordo com a assessoria de imprensa da DDMX, desde sua criação em 2010, a empresa mantém em sua equipe os valores essenciais para o sucesso de sua história. “A disposição de solucionar desafios tecnológicos, a transparência e responsabilidade em seus compromissos, além da flexibilidade e agilidade no atendimento a seus clientes, fazem da DDMX uma das empresas líderes de soluções tecnológicas para otimização de operações logísticas de campo”, informa o material de divulgação da empresa.

 Segundo a assessoria, o domínio de diversas tecnologias emergentes pela DDMX, tais como Big Data Analytics e Inteligência Artificial, entre outras, aliado à experiência no mercado de logística industrial e urbana, permitiu a criação de soluções de alta integridade voltadas para operações complexas que exigem máxima confiabilidade dos dados e geração de conhecimento para operações de grandes clientes.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual desses nomes deveria ser o próximo prefeito de Itajubá/MG

40.4%
18.3%
24.5%
4.4%
12.4%